Tragédias cotidianas

Ele se interessou pela força que ela tinha. Gostava da ideia de uma mulher diferente das outras, segura, que sabe o que quer. Mas poucos homens conseguem viver com uma mulher forte demais. Ele sabia que cedo ou tarde ela perceberia que queria mais, que podia mais, que merecia mais.

Ela sempre soube que era forte – e que isso intimidava os outros. Como gostava dele, resolveu interpretar o papel de garota frágil e deixar com ele a palavra final. Na vida real, ela só queria ser ouvida, respeitada, amada. E uma hora ela percebeu que queria mais, que podia mais, que merecia mais.

(esse é o problema das mulheres fortes: ela não conseguem disfarçar por muito tempo)

Eles sempre souberam que tinham pouco em comum, mas fingiam não se importar. A verdade é que todo mundo tem um limite, e o deles havia chegado. Ele queria que ela fosse outro tipo de mulher, ela queria que ele fosse outro tipo de homem.

“Nós nunca vamos dar certo porque somos iguais”

Tão logo ela disse essa frase, sabia que as coisas já tinha acabado.

Foto: PostSecret
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s