Links da semana – edição 10

Pra celebrar a preguiça que o fim de ano permite, essa semana são só vídeos:

The Creator’s Shift é um mini doc bem interessante sobre aqueles que influenciam milhões pela internet e o que é relevante hoje.

Falando em ~creators~, o que esse menino tá fazendo é demais: ele conta a história dos (nossos) heróis negros. Além de interessante, é muito inspirador!

A gente lembra das desgraças (e em 2015 foram muitas!), mas a retrospectiva do Google também mostra que esse ano trouxe esperança. Ufa.

Sem nenhum gancho, mas essa música ficou na minha cabeça a semana. É Elis, é samba, é linda – e conta a história da Revolta da Chibata, um bônus incrível.

Até 2016!

 

Links da semana – edição 9

Que semana, amigos!

O YouTube lançou a retrospectiva do site nesse ano, com um monte de Easter Egg pra quem gosta dessas coisas. Você consegue identificar os brasileiros no vídeo? Também tem a lista dos 10 vídeos brasileiros mais vistos no ano no país.

>> Essa semana teve muito barraco em Brasília: quebra pau na Câmara, Kátia Abreu dando um passa fora lindo no Serra e a carta ressentida do Temer pra Dilma. Sobre essa última, o Mário Magalhães deu a real no seu blog:

Temer conspira pela deposição da presidente constitucional. Como inexistem informações sobre conta secreta dela no exterior, criou-se o pretexto das tais pedaladas fiscais. Quem assinou algumas delas? Michel Temer no exercício da Presidência. Assim como governantes anteriores tinham feito a mesma coisa. O vice atua para salvar Eduardo Cunha, o que vale por uma síntese. Grassa a hipocrisia. (…) Pior que uma governante ruim eleita pelo povo é um governante, qualquer um, imposto contra o voto.

>> Procurando uns pôsteres para minha parede, dei de cara com essa série MARAVILHOSA chamada “Negro Nobre”, que coloca figuras negras incríveis da música em trajes imperiais. Mais sobre a série aqui.

negronobre_martinho e benjor

>> O mundo vive dizendo pra gente escolher um caminho só, mas  ter foco nem sempre é a solução para tudo. Uma discussão especialmente interessante pra quem tem gostos múltiplos (já falei sobre isso aqui também).

>> O Buzzfeed lembrou de 22 momento clássicos do Hermes & Renato, uma das pérolas do humor do começo desse século. Lembro até hoje de atrasar a saída da família para o jantar de Natal para ver o especial sobre o Bolovo (que tá obviamente na lista). Minha escolha pra hoje é o maravilhoso Bingo da Amizade, esquete que marcou toda uma geração!

Beijo, tchau.

Links da semana – edição 8

O Cenas da Cidade entrou numa escola ocupada – e deixou a molecada explicar com sua própria voz o que eles querem e por que estão lutando. Ótima pauta.

E mais:

>> Que história fantástica: a alemã que montou um terreiro de Umbanda em seu país natal.

>> Sempre tive aversão à frase “no meu tempo era melhor”. Não, não era, querido. E é justamente sobre isso que trata o ótimo texto “Juvenoia e os ídolos da internet”. A gente tem a tendência de achar ruim tudo o que não entende – e quem é que entende o adolescente?

>> O mundo fica mais polarizado quando existe muita certeza e pouca dúvida. Duvide mais, duvide melhor. Perfeito para essa semana de ânimos à flor da pele.

Links da semana – edição 7

Que lindo o trailer do documentário Samba, com o incrível Martinho da Vila! Estou doida pra ver no cinema!

>> Semana passada, o Risca Faca estreou com uma reportagem fantástica: a história dos trenzinhos de Ribeirão Preto. Partindo do Carreta Furacão (amor eterno, amor verdadeiro), eles mostram como a cidade se movimenta ao redor deles. Além de desvendar qual dos personagens manda no rolê (acertou quem pensou no Fofão, o rei dos palhaços).

>> Gostei muito dessa matéria do Globo que mostra o papel importantíssimo dos intelectuais negros no processo da abolição. Seus escritos (publicados principalmente na imprensa) foram essenciais para criar consciência da necessidade do fim da escravidão entre os membros da elite – mas também chegavam às classes mais baixas e aos escravos. Um olhar bem interessante sobre algo que a gente pouco ouve falar na vida escolar.

>> Pra fechar: Drauzio lendo os comentários dos 50 mil inscritos no seu canal do Youtube. Maravilhoso hahaha

Você está dando voz para quem?

Em tempos de polêmicas intermináveis, a impressão é de que as redes sociais ficaram chatas, né? A culpa, na real, é nossa.

Qual o seu critério na hora de compartilhar um post? Ou mesmo dar um like no facebook? O que você está (re)passando para a frente?

O Anil Dash é um empreendedor do mundo da tecnologia que resolveu fazer um experimento: depois de descobrir que ele retuitava 3x mais homens do que mulheres, decidiu passar o ano de 2013 compartilhando apenas postagens femininas. A experiência trouxe uns resultados bem interessantes.

O Anil conta que ele se envolveu em mais conversas com mulheres, inclusive aumentando o número de mulheres em sua rede. Isso pode parecer meio óbvio, mas a conclusão final dele foi maior: isso tudo mudou completamente o jeito que percebia a rede social (e não o conteúdo em si).

A questão aqui não é mulheres x homens. É ver a quem você está emprestando a sua voz. O tipo de conteúdo que você interage não vai só mudar o impacto nos outros, mas vai mudar sua experiência com aquela rede.

Ao invés de compartilhar tudo sobre a última polêmica do dia, por que não passar para a frente só aquilo que valha a pena? Se o facebook tá insuportável, só cabe a você (e à mim) mudar isso.

Links da semana – edição 6

friendsVem que tem:

>> Divertido: o Jumper traz um jeito novo de visitar lugares usando o Google Street View. Tô louca pra ver se eles disponibilizam outros lugares!

>> Nós, mulheres, somos treinadas pelo mundo a competir umas com as outras, desde pequenininhas. Por que isso acontece? É o que esse artigo do NYT tenta decifrar.

>> Que mulher é a Paola Carosella! ❤

>> Sou fascinada em podcasts, por isso me interessei nessa newsletter: toda semana, 3 indicações de podcasts que valem a pena.

>> Na semana da consciência negra, o relato do Ian Black se faz ainda mais necessário. Um mundo mais justo é obrigação de todo mundo.

>> Pra fechar, uma pergunta simples e direta: qual foi a última vez que você demonstrou afeto?

Foto daqui.

Sobre testes com animais

Aviso inicial: não sou nenhuma ativista, mas, como qualquer ser humano não-psicopata, acho horrível imaginar que coelhinhos fofos (e todos outros bichos) sofram para que eu use um creme legal ou tenha mais uma cor de esmalte à minha disposição.

 

Então, vamos lá.

Há muito tempo que eu penso nessa história de testes (cosméticos, médicos etc) com animais. E assumo que “penso” é o verbo certo em questão, já que fiz bem pouco de muito concreto em relação a isso…

Tentando achar minha torcida certa nesse fla-flu, li uma porrada de coisa que surgiu na internet. E aprendi que:

  • Testes em animais não são proibidos em parte alguma do mundo (nem na UE, já que as regras de lá têm várias brechas). Em lugares como a China, eles são, inclusive, obrigados.
  • É praticamente impossível ser 100% free de testes: ou a empresa usa testes terceirizados ou usa substâncias que, no passado, já foram testadas por outras empresas.
  • É impraticável ir a um supermercado comum e sair de lá com uma compra que não tenha NENHUM produto testado em animais.

bunny1

Com isso dito, o que dá pra fazer? Cheguei em duas ideias:

Dá pra escolher produtos menos nocivos: produtos naturais/orgânicos tendem a ser produzidos de uma forma menos agressiva. A Nyle, do Lookaholic, fez uma lista com um monte de marca que não realiza testes com animais (o site é inclusive uma ótima fonte de informação sobre esse assunto). A Peta também mantém uma base de dados bem atualizada, onde você pode pesquisar as empresas de várias formas. Tem até um app pra isso (sempre tem um app)!

Dá pra usar menos coisas: honestamente, a gente não precisa da porrada de produtos que usa diariamente. Reavaliando o seu dia a dia dá pra cortar alguma coisa. E com um pouco de dedicação dá até pra fazer seu próprio cosmético natural.

Mais alguma ideia?

bunny2

—–

Pra terminaré incrivelmente difícil achar referências anti-testes que não sejam tomadas por paixão (e fotos horrorosas de bichinhos mutilados no processo). Se alguém tiver algum link com algo interessante sobre o assunto, posta nos comentários! 🙂

 

[os gifs são daqui!]