Quatro lugares para ir em 2016

Uma das metas da minha vida pra esse ano é a clássica “viajar mais”. Mas viajar pra onde? Decidi que em 2016 eu quero muito Brasil na minha vida

Rio de Janeiro

Rio de Janeiro

O Rio é um dos clichês mais deliciosos do Brasil e, acredite, não é feito só de praia. Tive a sorte de ir umas três vezes pra lá no ano passado e quero dobrar a meta superar esse número em 2016 (tem Olimpíada, gente!!). Tanto que já estou com a primeira parada por lá marcada pra janeiro.

Minas (bônus: Inhotim)

Minas é um lugar que estou em dívida. Fui há uns cinco anos pra BH, amei e nunca mais voltei. Nesse ano já estou com viagem marcada para lá – mas quero dar um jeito de ir de novo pra esticar até Inhotim. Quem já foi?

Foz do Iguaçu

As Cataratas de Foz recebem uma porrada de turistas todos os ano, muitos (a maioria, talvez) estrangeiros. Decidi que não dá pra ficar mais um ano da vida sem conhecer esse lugar: é lindo, não é um absurdo de caro, dá pra ir em uma viagem quase bate-e-volta. De 2016 não passa!

Algum lugar incrivelmente cheio de natureza

Ok, aqui tô roubando um pouco. Mas é que ainda não me decidi. Quando falo em “lugar com natureza”, pense em algo arrebatador, como o Pantanal, a Patagonia, o Deserto do Atacama, a Chapada Diamantina. Daqueles lugares que a natureza mostra todo o seu poder sabe?

Tem sugestões? Já foi para algum desses lugares? Me ajuda a montar o roteiro nos comentários ou fala comigo no twitter: @carolmonterisi!

Quatro rodas de samba no Rio de Janeiro

Passei as férias no Rio de Janeiro e quase não vi a praia. Em compensação, conheci quatro lugares incríveis para ouvir/viver/amar o samba carioca.

Samba do Trabalhador

Samba do TrabalhadorO Rio de Janeiro é tão maravilhoso que tem um samba de segunda que começa às 16h. Não tem como não amar. Comandado pelo Moacyr Luz, o Samba do Trabalhador tem esse nome porque é onde os músicos (que trabalham aos fins de semana) vão para se divertir. Apesar do repertório quase fixo (só ouvir esse álbum que você vai saber a maioria), as canjas são frequentes e, com sorte, você encontra gente bem famosa por lá.

Segundas, à partir das 16h (e até umas 21h, então chegue cedo!)
No Clube Renascença – Rua Barão de São Francisco, 54 – Andaraí
Entrada – R$20

Cacique de Ramos

Cacique de RamosGrande chance de você estar bem longe do Cacique, mas a viagem vale a pena. Essa é uma das rodas de samba mais tradicionais e tem entre seus filhos mais ilustres o grupo Fundo de Quintal. O samba acontece na disputada quadra todos os domingos e sempre aparece alguém para uma canja. E se você ainda precisar de mais motivo, a feijoada que acontece uma vez ao mês é deliciosa.

Domingo, a partir das 17h. A feijoada é no 3º domingo de cada mês a partir das 13h.
R. Uranos, 1326 – Olaria
Entrada franca; feijoada R$20

Sambastião

SambastiãoUm sábado por mês o Sambastião toma a Praça do Russel, na Glória, para um dos sambas mais divertidos da cidade (eu que tô dizendo, tá?). A roda de samba é aberta, com todo tipo de gente, e tem como padrinho o sambista Ataulpho Alves Jr. O repertório é recheado de sambas de partido alto e sambas de terreiro, daqueles pra cantar junto.

Um sábado por mês, a partir das 15h (até umas 22h).
Na Praça do Russel, em frente à Rádio Globo.
Grátis

Pedra do Sal

Samba da Pedra do SalConta a história que o samba carioca nasceu na Pedra do Sal, o que dá a essa roda um clima bem diferente de tudo. O samba acontece todas as segundas à noite o som baixo dá um clima bem intimista. Mas não se engane: a roda de samba lota, então é bom chegar cedo. Aqui é o lugar pra aprender sambas de todas as épocas e tentar ensinar um pouco para os gringos (que são muitos).

Às segundas, a partir das 18h.
Rua Argemiro Bulcão, Saúde
Grátis

Tem mais dicas? Me fala?

Pra conhecer o Rio

Mais uma pérola que vi no fim de semana (depois de muito tempo na pasta de favoritos): Fala, Mangueira!, um documentário feito em 1981 sobre um  dos morros mais famosos do Rio de Janeiro.

O filme tá dividido em seis partes. A primeira fala da origem de Mangueira e da importância que a escola tem pra comunidade.

[youtube http://youtu.be/Ajl6Ue_QlsY]

O documentário tem 30 anos, mas já naquela época a comunidade falava da “descaracterização do carnaval”. Puta da vida com a importância que os desfiles davam (dão?) para as alegorias, uma das moradoras pede na segunda parte: “samba é no pé!”

[youtube http://youtu.be/ouU_4xVqID8]

O foco da terceira parte é o samba, com direito a depoimento de Carlos Cachaça sobre o mestre Cartola.

[youtube http://youtu.be/BLvrEXiwskQ]

A quarta parte é simples e direta: um clipe da música Sala de Recepção, do Cartola, com cenas do morro.

[youtube http://youtu.be/UsveyZBZtRA]

A escola de samba é o principal da quinta parte, com a Velha Guarda e Clementina (diva) de Jesus.

[youtube http://youtu.be/pjws1ieNaVU]

A sexta e última parte, entre outras coisas, tem uma macumba de verdade (com galinha e tudo) e uma roda de samba de qualidade. E mostra a mulherada descascando os homens.

[youtube http://youtu.be/isElhgjSBl4]

Ah, sim! E a narração é do Grande Otelo.

Relacionado: Pra conhecer São Paulo

Print do dia – perigueti de Salvador

linda

O print é de ontem, só consegui subir hoje. Mas olha que gatinhaaaa!

Ah! Tem uma galeria com o povo se libertando em Salvador e no Rio. Vale a pena!

Diva no Brasil

Sim, estou atrasada. Não, não falo da Madonna.

Carla Bruni deu pinta no Rio. O Copacabana Palace anda muito bem frequentado!

carla bruni no cantagalo - AP

Diva que é diva não sofre com o calor do verão carioca.

Ah, aquele maridinho dela também tá junto. Sarkozy, né? Ele faz o que da vida?